Nós, a luz e a sombra

IMG_0488

A sua melhor versão, que quer encontrar a saída em você, é você! Nunca deixou de ser. Você vive cercado de flores, céu e estrelas porque essa é uma maneira de te manter imerso no que você realmente é (“o que está fora é como o que está dentro”).

Sabe aquele símbolo do ying/yang ? Acho bonito o sentido da imagem. Ele mostra que tudo existe ao mesmo tempo (coexiste) sem separação.

No lado escuro do símbolo tem um pontinho branco, certo? Um ponto branco no meio da escuridão, por onde é possível penetrar para voltar ao lado claro. Mas o oposto também acontece!  Às vezes entra-se pelo ponto escuro, mesmo estando no lado claro.

Compreendendo  isso podemos ficar serenos, porque sabemos que não permaneceremos lá para sempre, porque a saída está ali mesmo. Quando paramos de procurar fora, a luz nos salta aos olhos.

Quando entendi isso, percebi que não faz sentido julgar comportamentos, momentos, pessoas… porque todos transitamos por esses opostos.

Com poucas exceções, todas as nossas reações e atitudes são maneiras de nos manter vivos. De nos manter em segurança. De nos proteger. Como julgar qualquer ser humano quando entendemos isso?

Eu não te julgo, porque eu te entendo. Entendo, porque tem um pouco de você em mim e tem um pouco de mim em você.

Eu te amo, te respeito e vibro a cada passo que você dá rumo ao despertar do que você realmente é. Porque todos somos um. O seu caminhar é também o meu. Vamos juntos, mesmo separados, porque o caminho é um só!

Namaste.

Anúncios

A minha Roma

image

Escrever sobre viagens sempre esteve nos meus planos. Penso que o assunto se encaixa perfeitamente no contexto de saúde integral.

O impulso para essa postagem veio de uma conversa minha com uma amiga, que no momento encontra-se em plena Eurotrip.

Se você gosta de viajar como eu, já deve ter lido muitos textos com dicas de turismo, guias e tudo mais. Mas dessa vez vai ler algo diferente. E acho que você vai gostar de conhecer Roma pelos meus olhos, pelos meus sentimentos.

Vamos?

(abro aspas para meu próprio texto, transcrito fielmente de meu diálogo com minha amiga viajante)

“Não escreverei dicas turísticas, isso tem aos montes por aí. Mas quero te falar um pouco da minha experiência em Roma. Sobre coisas que não estão necessariamente nos guias, mas que a gente só vive estando lá, coisas que estão na minha mente e coração, onde permanecerão para sempre.

Ahh … a magia de viajar… você está prestes a entrar num caminho sem volta.

Roma é uma cidade doida! O aeroporto é super longe, você  entra em seu autobus ou taxi e pega a estrada em direção à cidade. Não parece nada demais até que de repente… você  passa ao lado do Coliseu!  Assim, vai andando por uma cidade aparentemente “normal” e de tempos em tempos se depara com construções milenares. É assustador, o coração até acelera!

Tem que visitar o Fórum Imperial. Tem que visitar o Coliseu. Tem que ver a Fontana de Trevi e jogar a moedinha!

Coma pizza em Roma! Por favor! Se não em Roma pelo menos em outra cidade da Itália. Em Roma coma pizza no Trastevere, um bairro às margens do Rio Tibre, o bairro Boêmio da cidade. Restaurantes bons e pizzarias boas estão lá.

Comi numa pizzaria chamada Dar Poeta. Aquele estilo de pizza de Nápoles, do filme ‘Comer, Rezar, Amar’. Pizzaria em Roma, como em Nápoles, é assim: divide-se a mesa. Alguns lugares têm mesas compridas e senta-se um ao lado do outro . A pizza é individual, fina, massa elástica, crocante e muito leve. Sabores apenas tradicionais, não tem essa “bagunça” de coisas por cima como aqui.

Coma macarrão em Roma! O espaguete ao Cacio e Pepe (queijo e pimenta) só se come lá. O Carbonara deles não tem nada a ver com o nosso, e é divino. Só não recomendo comer à Bolonhesa, aliás é o que menos se come na Itália, isso é coisa nossa mesmo.

O Gelato italiano, claro! Nunca mais você vai achar outro sorvete gostoso depois que tomar sorvete em Roma. O de Pistachio (pistache) é tradicional. Como também o de creme com baunilha.

A “estrela” de Roma nos doces é a Nutella. Isso é coisa deles. Tome Gelato de Nutella! Eu não sei como eles fazem pra aquilo ficar tão cremoso, sério, impressiona.

Café na Itália, lógico! O Expresso deles é o melhor do mundo. E é só um pouquinho que vem. Italianos costumam pedir expresso rápido no balcão e “viram” a xícara (como brasileiro vira cachaça) e já saem rapidamente  para os  seus compromissos.

Você vai “bater perna” em Roma e as ruas são com pedras, que machucam a sola dos pés. Eu quis conforto e usei rasteirinha. Me lasquei. Acabei com meu pé. Virou um “pão”. Use tênis, ou algum sapato que não fique com o solado  encostado no chão.

Roma no verão  é um forno. Nas ruas  existem fontes de água para as pessoas se servirem. Pode pegar e beber tranquilamente.  Meu hotel tinha uma fonte em frente. Eu descia com a garrafa de água e abastecia.

Vai ao Vaticano? Compre antes para nao ficar na fila. As filas são gigantes.

Tem que se cobrir um pouco para o Vaticano. O calor em Roma é infernal e a mulherada se veste com pouca roupa. Então, lá tem umas “vestimentas” meio que descartáveis para elas se cobrirem.

Mas tranquilo, não indo de pernas de fora, nem decotes, nem muito cavada nos braços ok! Eu fui de calça comprida e uma blusa leve e ampla, cobrindo tudo.

Vai “com fé” em todos os cômodos da Capela Sistina, vale a pena. Aguente o cansaço até o auge que é, no teto, a Criação de Adão, de Michelangelo. É de tirar o fôlego. Você jamais vai esquecer esse momento. É de marcar a vida.

Ah, se acaso cruzar com a Gelateria Romana, tome o Gelato lá! O melhor dos melhores.

Tem compras na Via dei Condotti e  na via Del Corso. Comprei roupas e  bolsas. Bolsa italiana é tudo de bom. Tem grifes deles, como a Diesel. Mas não é  barato, não. Nos outlets americanos faz-se melhor negócio.

Não viajo para fazer compras. Não curto esse tipo de prazer. Compro poucas coisas, mas que me tragam a lembrança de onde estive.

Achei que seria capaz de descrever minha experiência por completo na Cidade Eterna. Impossível. Tem que viver, tem que experimentar com os próprios pés. Como você fará. Faça agora  a “sua” Roma.

Buon  viaggio!!”

 

 

 

Sobre fins e recomeços: encarando com serenidade o fluxo da vida

image

Há certos momentos na vida que por si mesmos são verdadeiros marcadores que sinalizam o fechamento de um ciclo, quer aceitemos ou não.

Precisamos desenvolver nossa “escuta interior” e através da nossa capacidade de compreensão, termos lucidez e sensibilidade para aceitarmos que algo já se deteriorou. A partir dessa percepção, é possível nos reposicionarmos e nos readaptarmos para darmos boas vindas ao “novo”, com suas infinitas possibilidades.

Quando a vida nos sinaliza que um ciclo está se fechando, aceite o fato e aproveite para renovar suas esperanças, oportunizando-se a gestar novos propósitos e projetos de vida.

Uma readaptação nem sempre é um processo fácil, visto que dispensemos muita energia emocional na reorganização do “caos” interno. Por outro lado, esse é também um momento rico para iniciarmos o precioso movimento de auto avaliação e para revalidar o lugar que ocupamos ou que desejamos ocupar no mundo.

Quando um ciclo se fecha, é porque necessitamos realizar algum aprendizado naquele contexto, para passarmos para a etapa seguinte. Os processos transitórios da vida não são exatamente efêmeros, mas são etapas potencialmente criativas.

Vida é fluxo, é movimento, é a negação da estagnaçao. Nada é definitivo, muito menos de nossa propriedade. Acreditamos que coisas e pessoas são nossas. Na vida não existem garantias, nem datas de validade.

Com o advento de uma nova fase, iniciam-se novas oportunidades. Em contato com contingências que proporcionam agora o florescer de uma nova consciência, nos será permitida uma maior lucidez dos fatos. Tudo isso nos oportunizará criar a realidade que tanto desejamos e que somos diretamente responsáveis.

Este movimento criativo nos permite reflexões verdadeiras e profundas que nos levam a dar novos significados a nossa existência, se abrirmos mão do que se foi e darmos as boas vindas as novas possibilidades.

Para que haja renovação verdadeira, de dentro para fora, é indispensável reavaliar a nossa percepção dos fatos, mas o principal de tudo para qualquer primeiro passo é nos aceitarmos como somos, momento este de “insights” para toda mudança verdadeira, pois a partir da auto aceitação, poderemos promover as mudanças que forem necessárias. Portanto, desnude-se interiormente, retire suas mascaras, se olhe de frente.

Às vezes precisamos mudar rotas e trajetórias provenientes das nossas reavaliações daquilo que já não nos serve mais. Mas nada foi perdido de todo: tornamo-nos mais vividos, mais capazes e aprimorados.

A nossa maior conquista é transmutar a própria vida em constante processo de evolução e recriação de nós mesmos, colocando em pratica os valores que precisamos alimentar, nos aprimorando em todas as perspectivas e principalmente aprendendo com os erros do passado.Somos seres itinerantes na trajetória da vida e estamos aqui para aprender, para evoluir.

Permanecer em um ciclo que já se fechou é altamente desgastante, além de se pagar um alto preço por isto. Estar aberto, disponível e receptivo para novas oportunidades e experiências é o que a vida nos propõe ao fim de cada etapa.

Que possamos olhar os problemas como desafios, a dor como meio de aprendizado, as mudanças como oportunidade de transformação. Todo processo pode ser fácil ou difícil, penoso ou desafiador, de possibilidades e aprimoramentos. Depende de como você percebe cada acontecimento. Escolha a renovação!

(Adaptado do Portal Raízes)

Uma vida líquida

image
O sociólogo polonês Zygmunt Bauman declara que vivemos em um tempo que escorre pelas mãos, um tempo líquido em que nada é para persistir. Não há nada tão intenso que consiga permanecer e se tornar verdadeiramente necessário. Tudo é transitório. Não há a observação pausada daquilo que experimentamos, é preciso fotografar, filmar, comentar, curtir, mostrar, comprar e comparar.

O desejo habita a ansiedade e se perde no consumismo imediato. A sociedade está marcada pela ansiedade, reina uma inabilidade de experimentar profundamente o que nos chega, o que importa é poder descrever aos demais o que se está fazendo.

Em tempos de Facebook e Twitter não há desagrados, se não gosto de uma declaração ou um pensamento, deleto, desconecto, bloqueio. Perde-se a profundidade das relações; perde-se a conversa que possibilita a harmonia e também o destoar. Nas relações virtuais não existem discussões que terminem em abraços vivos, as discussões são mudas, distantes. As relações começam ou terminam sem contato algum. Analisamos o outro por suas fotos e frases de efeito. Não existe a troca vivida.

Ao mesmo tempo em que experimentamos um isolamento protetor, vivenciamos uma absoluta exposição. Não há o privado, tudo é desvendado: o que se come, o que se compra; o que nos atormenta e o que nos alegra.

O amor é mais falado do que vivido. Vivemos um tempo de secreta angústia. Filosoficamente a angústia é o sentimento do nada. O corpo se inquieta e a alma sufoca. Há uma vertigem permeando as relações, tudo se torna vacilante, tudo pode ser deletado: o amor e os amigos.

“Estamos todos numa solidão e numa multidão ao mesmo tempo”. Zygmunt Bauman

Fonte: Portal Raízes.

Kavala Gandusha – detox com óleo vegetal

 

images

 

A terapia de Bochechar Óleo (em inglês Oil Pulling) parece estranha, mas é um método e­ficaz de desintoxicação e cura da medicina natural, com lon­ga histó­ria. A terapia promete inúmeros efeitos na saúde, entre outros, a desintoxica­ção da área oral e dental, limpeza das vias respirató­rias, fortalecimento da imunidade e auxílio no reestabelecimento de uma boa saúde.

Como terapia ca­seira ela é fácil, de baixo custo, sim­ples e sem efeitos colaterais, podendo ser inte­grada na higie­ne diária. O melhor momento para fazê-la é ao acordar, em jejum, portanto antes de comer ou beber qualquer coisa. O médico que apresentou esta terapia nos anos 80 pela primeira vez em uma conferência no ocidente, foi o Dr. F. Karach (Médico da Ucrânia). Ele apresentou este tratamento notável, em uma conferência de Oncologistas (especialistas em Tumores) e Bacteriologistas da União da Ucrânia na Academia de Ciências da URSS e encontrou grande ressonância em toda Europa. O tratamento popular na Ucrânia mostrou durante muitos anos efeitos para uma boa saúde, mobilizando o sistema imunológico, promovendo um bem estar, trazendo clareza mental, limpando o sistema respiratório, fortalecendo dentes, gengiva e muito mais. Até hoje, pelo que sei, ainda não existe nenhuma pesquisa científica, havendo unicamente alguns estudos comprovando os efeitos positivos da terapia (veja abaixo a referência da Dr. Rosi Frey).

O bochechar ou chupar óleo na boca ativa as enzimas e retira as toxinas do sangue, incentiva a cura para todas as células, tecidos e todos os outros órgãos por causa da destruição dos germes naturais da boca e que, consequentemente, também irá amenizar a destruição do organismo humano, e ajudar a prolongar, desta forma, a vida humana (retirado de uma citação do Dr. F. Karach, Journal of World Teletherapy Association, edição abril junho 1992, publicado em Calcutá).

As origens

download

As origens desta técnica vêm provavelmente da antiga Índia. A técnica milenar consiste na prevenção e tratamento de doenças, descrito noPanchakarma – uma parte do Ayurveda que se dedica a purificação do corpo, utilizando diferentes métodos para descarregar resíduos do metabolismo, como componentes alimentares não digeridos (mala) e toxinas ambientais (ama). Traduzido livremente, Panchakarma significa “cinco ações”, indicando que o corpo pode ser purificado de cinco formas diferentes.Kavala Gandusha é um desses cinco processos de purificação e consiste no bochechar de óleos selecionados (“Kavala” em Sânscrito significa“Tratamento de Óleo”).

Como fazer a terapia de Bochechar Óleo

download (1)

 

O processo é extremamente simples e pode ser feito em casa seguindo apenas três passos:

Primeiro passo:

Na parte da manhã, antes de tomar qualquer sólido ou líquido, coloque uma colher de sopa de óleo vegetal de alta qualidade (veja paragrafo abaixo “Qual óleo usar”) na boca.

Segundo passo:

Imediatamente bocheche o óleo em sua boca e em volta dos dentes. Continue limpando o interior da boca, chupando e puxando-o através dos dentes, mantendo o óleo sempre em movimento, pode até mastigar um pouco. Isso deve ser feito sem pressa, sem tensão ou espasmo muscular, por tipicamente 15 a 20 minutos, como se fosse um colutório.

A duração de 15 a 20 minutos é apenas uma orientação. Nas primeiras aplicações pode acontecer, após poucos minutos, o desejo de cuspir o óleo. Então preste atenção nestes impulsos do seu corpo e comece devagar.

Importante, o óleo não deve ser engolido de jeito algum. Portanto, não incline a cabeça para trás para gargarejar, pois isso aumentaria a possibilidade de novamente ingerir os poluentes que você quer eliminar do corpo. Mantenha então a cabeça elevada ou levemente inclinada para frente.

Se algo der errado, ou seja, óleo poluído desceu acidentalmente pela garganta, também não é tão grave assim. Isso não vai causar nenhum dano, você simplesmente não conseguirá a desintoxicação com a mesma eficiência. Os poluentes vão descer pelo trato digestivo e assim podem parcialmente entrar novamente na circulação sanguínea.

Se os seus músculos maxilares ficarem doloridos enquanto você está bochechando, é um sinal de que você está colocando demasiada força neste processo. Relaxe os maxilares, e utilize a sua língua para ajudar a mover o líquido no interior da sua boca. Fazendo isso corretamente, logo virá uma sensação confortável. Com um pouquinho de prática este procedimento irá se tornar natural.

Não estranhe se no princípio o óleo estiver pastoso. Ao longo do bochechar e puxar entre os dentes ele vai ficando mais fluido. O óleo começa a ficar aguado e depois líquido.

O óleo sendo movimentado na boca vai criando uma emulsão que absorve toxinas e bactérias dessa área. Conforme Dr. F. Karach, após o tratamento, o líquido contém uma quantidade imensa de bactérias, vários tipos de micróbios e outras substâncias nocivas. Um exame deste líquido mostra inclusive micróbios em estágio inicial de desenvolvimento.

Terceiro passo:

Ao terminar, cuspa o líquido para fora e enxágue a boca com água, ou água morna com sal (basta usar sal de mesa comum).

A lavagem com água salgada não é necessária, mas é muito útil como antimicrobiano que alivia qualquer inflamação. Também provou ser eficaz para retirar toxinas que ainda podem ter permanecido na boca.

O líquido que sai deve estar branco como leite. Se ainda estiver amarelo é sinal de que se bochechou por pouco tempo.

Cuspa o resído no vaso sanitário ou na pia. Realmente é bom lembrar que que este líquido está cheio de bactérias, assim após cuspir na pia é bom limpar a mesma com um bactericida.

Logo depois, escove os dentes normalmente.

Eventuais efeitos do procedimento

É bom salientar que no princípio deste tratamento pode aparecer alguns sintomas típicos de desintoxicação (irritação na área do nariz ou garganta, sensação de leve resfriado, etc.). Especialmente em pessoas que sofrem de várias doenças e contam com uma imunologia baixa, isso pode acontecer. Este sintomas aparecem principalmente quando os focos de infecção começam a desaparecer.

Por esta razão geralmente é indicado continuar o tratamento, inclusive se nos primeiros dias os sintomas piorarem. É o mesmo processo que geralmente acontece com um tratamento homeopático. Uma piora significa apenas que a doença está desaparecendo e o organismo está reagindo e se recuperando.

Se você está nesta situação por mais de quatro dias, o melhor é entrar em contato com um médico ou naturopata de sua confiança e pedir uma orientação.

O melhor Momento para o procedimento

images (3)

Basicamente o método pode ser iniciado a qualquer momento em que o estômago estiver vazio. Idealmente o melhor momento é pela manhã, logo depois de se levantar, pois durante a noite o corpo está eliminando toxinas e resíduos pela mucosa oral. Assim, podem ser descartados facilmente com uma “bochechada” simples! Para reforçar o efeito, e em casos graves, o tratamento pode ser feito três vezes ao dia, mas sempre antes das refeições.

Abra mão do chá, suco ou até do costume de tomar água ao se levantar. Caso contrário estará levando uma boa parte do que você quer se livrar de volta ao seu corpo. O primeiro passo na higiene da manhã é Bochechar Óleo, antes de colocar qualquer outra coisa na boca.

Interessante notar que parece haver também a sincronização deste procedimento com as fases lunares. Katarina Wolfram sugere no livro Die Ölzieh-Kur, Heilung durch Entgiftung (tradução livre do alemão: “Bochechar Óleo – a cura através da desintoxicação”, sem tradução para o português). Concretamente ela sugere:

  • Lua cheia – força mais eficaz, momento de inversão da força lunar
    –> iniciar a terapia
  • Lua minguante – drenar, soltar, desintoxicar, limpar
    –> praticar a terapia
  • Lua cheia – recomeçar, limpar
    –> terminar a terapia
  • Lua crescente – estabelecer, fortalecer, concentrar, acumular
    –> pausar com a terapia

Duração do tratamento

kavala gandusha

Como este método é um tratamento muito suave e completamente natural, o mesmo pode ser integrado na sua higiene diária, sem um limite máximo de tempo para usá-lo. Dr. F. Karach postulava a teoria de que se pode prolongar uma vida saudável, integrando este método na sua rotina diária.

Qual óleo usar

images (1)

Podem ser usados uma grande variedade de óleos vegetais. Os recomendados clássicos, da medicina Ayurveda, são: Óleo de Gergelim e Óleo de Semente de Girassol. Autores mais recentes estão citando outros óleos também. Preste atenção no uso de óleos de alta qualidade e prensados a frio, de preferência. Certamente estes óleos são mais caros do que óleos comuns, mais pense sobre isso como um investimento na sua saúde.

Outro aspecto importante na seleção do óleo é a sua própria sensação. Pode acontecer que o sabor do Óleo de Semente de Girassol seja altamente desconfortável para você, mas o Óleo de Gergelim caia muito bem. Então, confie na sua percepção!

A literatura atual menciona outros óleos que podem ser utilizados, como o Óleo de Coco, Óleo de Amêndoa Doce, Azeite de Oliva, etc. A respeito deste assunto, a fonte “A Small Book on Oil Pulling, A Universar Remedy”, publicado por oilpulling.org conta que unicamente os Óleos de Gergelim e de Semente de Girassóis promovem os efeitos positivos sobre a saúde, descrito neste artigo.

O que intensifica os efeitos

  • Limpar a sua língua (com raspador de língua)
  • Limpeza da área nasal (veja Jala Neti Kriya)
  • 2 a 3 litros de água natural sem gás ou chá de ervas, por dia
  • Alimentação saudável (alimentos frescos, nutrientes suficientes, rica em fibras, evitar a acidificação, etc.).
  • Muito exercício físico.
  • Minimizar o estresse negativo.
  • Dormir cedo e o suficiente.
  • Meditação e Kundalini Yoga 😉

 

Fonte e Referências

 (Fonte: Yoga Vital . net)

A saúde na medicina integrativa

 medicina-integrativa 2

Saúde é quando não apenas os órgãos físicos funcionam adequadamente, como todos os nossos outros corpos funcionam adequadamente. Em termos específicos, a própria saúde física não é apenas definida pelo funcionamento adequado dos órgãos físicos, como também pelo funcionamento adequado dos campos morfogenéticos correlacionados e do corpo mental correlacionado que fornece significado às experiências físicas e vitais, todos em sincronia.

É necessário compreender que a doença ocorre não só em virtude de fatores genéticos (defeitos genéticos) e ambientais (mudanças climáticas, bactérias e vírus), como de experiências internas e do ambiente interno, criado pela memória dessas experiências. A memória de experiências passadas também cria padrões de condicionamento (Mitchell e Goswami, 1992) pelos quais tendemos a perder a liberdade de escolher possibilidades saudáveis. Desse modo, a doença pode ocorrer no nível do corpo vital (doenças do corpo vital), no nível da mente (doenças do corpo mental) e até no nível dos corpos supramental e sublime.

 Consequentemente, há cinco níveis de doença correspondendo aos cinco corpos na consciência. A doença num nível superior infiltra-se pelos níveis inferiores. Desse modo, um significado mental errôneo pode causar bloqueios na energia vital que, por sua vez, podem afetar o funcionamento do corpo físico. Portanto, faz sentido dizer que a verdadeira cura de uma doença precisa envolver o nível no qual a doença se iniciou. Ou seja, há cinco níveis de cura correspondentes a cada um dos cinco níveis de doença.

O ativista quântico reconhece, desde o princípio, que a medicina integrativa baseada na física quântica é fundamentalmente otimista. Se o mundo consiste em possibilidades e não em eventos determinados, então é possível escolher a saúde e não a doença. Nem a doença, nem a cura, precisam ser totalmente objetivas. As experiências subjetivas e nossas atitudes diante delas têm seu papel. Usando a criatividade, o ativista quântico aprende a mudar a atitude que leva da doença à saúde e da saúde normal à saúde positiva.

 Uma falha da biologia materialista e da medicina alopática é que ambas são incapazes de incorporar adequadamente um aspecto importante dos organismos biológicos: a heterogeneidade. Na biologia convencional, baseada no determinismo genético, todas as diferenças individuais são de origem genética. Na medicina do corpo vital e do corpo mental, as diferenças individuais também surgem das diferenças na individualização do corpo vital.

 Mencionei antes que nossos órgãos físicos são representações de anteprojetos do campo morfogenético vital das funções biológicas. A forma como usamos os campos morfogenéticos em nosso período de formação e desenvolvimento fornece-nos os tipos de corpo.

 Na Medicina Chinesa Tradicional, reconhecem-se dois tipos de corpo. O tipo yin ocorre quando o condicionamento é o princípio operacional para o uso dos campos morfogenéticos. O tipo yang ocorre quando os campos morfogenéticos são usados criativamente para atender aos desafios das mudanças ambientais durante o desenvolvimento.

 Na Ayurveda, distinguem-se dois tipos de criatividade: a situacional, na qual a criatividade é usada apenas como combinação e permuta de contextos arquetípicos já conhecidos; e a fundamental, na qual a criatividade é usada com um salto quântico descontínuo para explorar significados de maneira totalmente nova, num novo contexto arquetípico.

A Ayurveda reconhece um tipo tríplice de corpo chamado doshas. O primeiro deles é kapha, que corresponde ao modo do condicionamento; o segundo, vata, corresponde à criatividade situacional; finalmente, o terceiro, pitta, corresponde à criatividade fundamental. Essa tipologia também caracteriza como o significado mental é mapeado no cérebro durante nossa época de formação; noutras palavras, temos doshas tríplices cérebro-mentais (Goswami, 2004). O excesso de condicionamento resulta no dosha cerebral da lentidão mental. O excesso de criatividade situacional resulta no dosha cerebral da hiperatividade (como no Transtorno do Déficit de Atenção). Finalmente, o excesso de criatividade fundamental leva ao dosha cerebral do intelectualismo.

Na verdade, geralmente temos uma mescla de todos os doshas físico-vitais e cérebro-mentais. A mescla de determinada pessoa é chamada na Ayurveda de “prokriti” dessa pessoa – sua natureza ayurvédica.

 A manutenção da saúde  começa pelo conhecimento do tipo de prokriti de seu corpo. Isso pode exigir a ajuda de médicos especializados. Os detalhes sobre o uso desse conhecimento para manutenção da saúde podem ser encontrados em livros sobre Ayurveda e Medicina Chinesa Tradicional e em Goswami, 2004.

(Amit Goswami)

Hambúrguer vegetariano

image

 

A dieta vegetariana pode ser muito saborosa e rica em nutrientes. O hambúrguer feito com berinjela, nozes e especiarias surpreende pelo ótimo sabor e textura.

Vamos à receita!

INGREDIENTES:

 3 beringelas grandes
2 ovos
10 gramas de gengibre picado
1 dente de alho
1/2 colher (sopa) de cominho
6 colheres (sopa) de farinha de rosca (substitua por farinha de arroz ou de aveia, se quiser um preparo sem glúten)
Nozes picadas
Sal e pimenta
Azeite de oliva
Salsa picada
MODO DE PREPARO:
Corte a berinjela ao meio e cozinhe no vapor até que os dois lados fiquem macios.
Refogue o dente de alho cortado com o gengibre ralado e algumas gosta de azeite.
Em seguida, retire a casca da berinjela e a tempere a polpa com sal, cominho, pimenta e o alho refogado com gengibre e as nozes picadas.
Deixe o preparo repousar por algumas horas, para o sabor ficar mais forte.
Feito isso, adicione farinha de rosca (ou de arroz/aveia) e o ovo. Misture bem.
Forme os hambúrgueres com as mãos.
Frite em uma panela com algumas gotas de azeite de oliva e sirva com purê de batatas, arroz, pão ou com uma salada.
A berinjela é um vegetal  rico em água e pobre em calorias. Alem disso é rico em ferro, magnésio e fibras, ajuda a manter os níveis de açúcar baixos no sangue, auxilia na eliminação das toxinas do corpo, tem vitamina C e K (aumenta a imunidade), atua no combate a anemia, além de estimular o metabolismo, graças as antocianinas (antioxidantes).
Experimente novos sabores e surpreenda-se com a culinária vegetariana!

 

Sobre depressão e cura

imageSentir-se triste, desanimado, esgotado, são experiências que vez ou outra todos já experimentamos. Mas imagine sentir-se assim todos os dias, por meses, anos. Imagine também não demonstrar isso, lutar sozinho, manter a cabeça erguida, o corpo forte, a mente em evolução.

Aconteceu comigo, que sempre me cuidei de maneira integral, pratico exercícios, meditação, sou espiritualizada, leio, viajo, estudo, sempre tive uma família maravilhosa, amor, amigos, trabalho. Mas não é sobre nada disso.

A depressão tem a ver com nosso “eu” mais profundo, tem a ver com coisas que não são aparentes, não são sequer reais algumas vezes. Pode ser por uma sobrecarga de sofrimentos simultâneos, pode ser por algum gatilho disparado no inconsciente, pode ser por não se adequar a um mundo materialista e superficial, onde nos sentimos um peixe fora d’água, diferente da maioria. Ou pode não ser nada disso.

Estou escrevendo porque gostaria de quebrar esse paradigma do depressivo. Eu sempre me mantive sorrindo, trabalhando, estudando, buscando a evolução do corpo, da mente e do espírito. Tomei antidepressivo e remédio para dormir, sim. Por pouco tempo, mas sim. Eu sempre tive o controle dos meus pensamentos e uma decisão sempre forte de buscar a recuperação dia após dia.

Eu imaginava que os remédios eram como muletas provisórias. Costumava pensar que era como quando quebramos uma perna. No início repouso absoluto, depois muletas, depois apoio parcial das pernas, depois apoio total, treino de marcha e finalmente a recuperação plena. E foi assim que aconteceu.

O que quero dizer é que sou forte, determinada, estudiosa, espiritualizada, esforçada, mas ainda assim tive um período de depressão. Nunca parei de trabalhar, nem de estudar, nem de cuidar de mim e das pessoas. Mesmo estando doente eu seguia em frente pensando que a cada dia eu subia 1 cm em direção à saída do fundo. Podia ser mesmo 1 cm por dia, mas eu nunca recuava, era sempre em frente.

Depressão não é frescura, nem coisa de gente fraca. Eu sou exemplo disso. Mas também preciso dizer, que se você por acaso tem esse problema que eu tive, você  pode se livrar disso. Tenha a coragem e a atitude para procurar ajuda e para se ajudar.

É sempre possível. Sempre pense que você tem sim controle sobre seus sentimentos. Às vezes não tem controle algum sobre a vida, sobre os fatos ou sobre as pessoas. Mas sempre tem escolha sobre como sentir-se em qualquer situação que se apresente a você. Existem caminhos, queira, busque e um caminho se abrirá para você também.

Acredito que esse mergulho profundo dentro de mim, nesse período de crise e cura, foi essencial para que eu desenvolvesse a empatia necessária para seguir minha missão, no auxílio aos meus pacientes.

Nada é mesmo por acaso. Eu sempre busquei, sempre procurei ser melhor, evoluir, crescer. E na dor e no sofrimento a gente cresce muito. Assim como na alegria e na paz  também! E é nessa outra fase que me encontro já há algum tempo. Nada mudou. Eu mudei.

Essa não é a realidade da depressão no geral, nem definição científica da doença. Não é regra. É apenas a minha experiência, dessa vez  não como profissional, mas como ser humano apenas. Mas eu espero que ajude alguém, que por acaso se identifique com a minha história.

Desejo paz e felicidade a quem busca. Todos somos um só.

Luciane.

 

Câncer: uma outra visão

image

Vocês sabiam que no ano de 1931 um cientista recebeu o prêmio Nobel por descobrir a CAUSA PRIMÁRIA DO CÂNCER? Então, se a causa foi descoberta, por que ainda não descobriram a cura? É esta reflexão que me proponho neste artigo.

Foi o Sr. Otto Heinrich Warburg (1883-1970) que ganhou o Prêmio Nobel em 1931 por sua tese “A causa primária e a prevenção do câncer”
Segundo este cientista, o câncer é a consequência de uma alimentação antifisiológica e um estilo de vida antifisiológico.
Mas por quê? Porque uma alimentação antifisiológica – dieta baseada em alimentos acidificantes + sedentarismo, cria em nosso organismo um ambiente de ACIDEZ. A ACIDEZ por sua vez, EXPULSA o OXIGÊNIO das células.

Ele afirmou: “A falta de oxigênio e a acidez são as duas caras de uma mesma moeda: quando você tem um, você tem o outro. Ou seja, se você tem excesso de acidez, então automaticamente falta oxigênio em seu organismo!

Outra afirmação interessante: “As substâncias ácidas repelem o oxigênio; em oposto, as substâncias alcalinas atraem o oxigênio”, ou seja, um ambiente ácido, é SEMPRE um ambiente sem oxigênio.

E ele afirmava que: “Privar uma célula de 35% de seu oxigênio durante 48 horas, pode convertê-la em cancerígena.”

Ainda segundo Warburg: “Todas as células normais tem como requisito absoluto o oxigênio, porém as células cancerosas podem viver sem oxigênio – uma regra sem exceção.

E também: “Os tecidos cancerosos são tecidos ácidos, enquanto que os saudáveis são tecidos alcalinos.”

Em sua obra “O metabolismo dos tumores”, Warburg demonstrou que todas as formas de câncer se caracterizam por duas condições básicas: a acidose (acidez do sangue) e a hipoxia (falta de oxigênio).

Também descobriu que as células cancerosas são anaeróbias (não respiram oxigênio) e NÃO PODEM sobreviver na presença de altos níveis de oxigênio; em troca, sobrevivem graças a GLICOSE, sempre que o ambiente está livre de oxigênio.

Portanto, o câncer não seria nada mais que um mecanismo de defesa que tem certas células do organismo para continuar com vida em um ambiente ácido e carente de oxigênio.

Resumindo:
Células sadias vivem em um ambiente alcalino e oxigenado, o qual permite seu normal funcionamento.
Células cancerosas vivem em um ambiente extremamente ácido e carente de oxigênio.

É importante saber como os alimentos ácidos e alcalinos afetam a saúde, já que para que as células funcionem de forma correta e adequada, seu PH deve ser ligeiramente alcalino. Em uma pessoa saudável,o PH do sangue se encontra entre 7,40 e 7,45. Leve em conta que se o ph sanguíneo caísse abaixo de 7, entraríamos em estado de coma, próximo a morte.

Mas então, o que temos a ver com tudo isto? Vamos ao que interessa. E se você é médico, por favor aprenda e pratique se não em sua vida, pelo menos em seus pacientes, aconselhe todos, faça sua parte!

Alimentos que acidificam o organismo:

# Açúcar refinado e todos os seus subprodutos – o pior de tudo: não tem proteínas, nem gorduras, nem minerais, nem vitaminas, só hidrato de carbono refinado, que pressiona o pancreas. Seu PH é 2.1 ou seja, altamente acidificante.
# Carnes – todas
# Leite de vaca e todos os seus derivados – queijos, requeijão, iogurtes, etc.
# Sal refinado
# Farinha refinada e todos os seus derivados – massas, bolos, biscoitos, etc.
# Produtos de padaria – a maioria contém gordura sagurada, margarina, sal, açúcar e conservantes.
# Margarinas
# Refrigerantes e Sucos de caixinhas
# Cafeína – café, chás pretos, chocolate.
# Álcool
# Tabaco
# Remédios, antibióticos
# Tudo que contenha conservantes, corantes, aromatizantes, estabilizantes, etc.

 Enfim: todos os alimentos enlatados e industrializados.

Alimentos Alcalinizantes

# Todas as verduras cruas (algumas são ácidas ao paladar, porém dentro do organismo tem reação alcalinizante, outras são levemente acidificantes porém trazem consigo as bases necessárias para seu correto equilíbrio); cruas produzem oxigênio, cozidas não (mas por outro lado, recomendo a ingestão de verduras cozidas pelo fato de que muitas só liberam seus nutracêuticos após o cozimento). Portanto, desde que você tome as outras atitudes em relação ao seu alimento, verduras recomendo que faça ingestão cozidas!
# Frutas- Por exemplo: o limão tem um PH aproximado de 2.2, extremamente ácido, porém dentro do organismo tem um efeito altamente alcalinizante (*lembre-se de que o suco de limão faz bem se adoçado com Stévia e só).

  Não se engane com os sucos, principalmente os de caixinha, pois não trazem benefício algum à saúde e, pelo contrário, são altamente maléficos. repito novamente: “Quem tem sede bebe água, quem tem fome toma sucos (de preferência naturais, feitos na hora a exceção do de laranja que é altamente maléfico infelizmente).

# Sementes: além de todos os seus benefícios, são altamente alcalinizantes, como por exemplo as amêndoas.
# Cereais integrais: O único cereal integral alcalinizante é o milho, todos os demais são ligeiramente acidificantes, porém muito saudáveis!.. Lembre-se que nossa alimentação ideal necessita de uma porcentagem de acidez (saudável). Todos os cereais devem ser consumidos cozidos. E só para constar, não estou falando sobre estas barrinhas de cereais, que são mais uma das enganações da indústria alimentícia, e que o médico e o nutricionista acreditou e indica seus pacientes a utilizarem como fonte de saúde!
# O mel é altamente alcalinizante.
# A clorofila das plantas (de qualquer planta) é altamente alcalinizante (sobretudo a aloe vera, mais conhecida como babosa).
# Á água é importantíssima para a produção de oxigênio. “A desidratação crônica é o estressante principal do corpo e a raiz da maior parte de todas as enfermidades degenerativas”, afirma o Dr. Feydoon Batmanghelidj.

O exercício moderado oxigena todo o seu organismo, o sedentarismo o desgasta. Acontece que até quando o médico orienta seu paciente a fazer exercícios físicos, deve ponderar e estudar de que forma o exercício pode realmente estar trazendo benefícios, pois dentre muitas questões, devido à produção aumentada de radicais livres durante o exercício físico intenso, e ao desgaste metabólico que ocorre, os exercícios devem ser individualizados sempre para que possam trazer saúde.

O Doutor George w. Crile, de Cleverand, um dos cirurgiões mais importantes do mundo declara abertamente:
“Todas as mortes mal chamadas “naturais”, não são mais que o ponto terminal de uma saturação de ácidos no organismo.”

Como dito anteriormente, é totalmente impossível que um câncer prolifere em uma pessoa que libera seu corpo da acidez, nutrindo-se com alimentos (o que chamamos de nutracêuticos) que produzam reações metabólicas alcalinas e aumentando o consumo de água de boa qualidade e que, por sua vez, evita os alimentos que produzem acidez, e se abstém de elementos tóxicos.

Em geral o câncer não se contrai nem se herda, o que se herda são os costumes alimentícios, ambientais e o estilo de vida. Isto sim é que produz o câncer.

Agora reflita, porque em irmãos gêmeos, muitas vezes um morrerá em decorrência do câncer e outro por outra causa? Ora, se a genética de ambos é a mesma, o que realmente influenciou sua vida foi de fato a Epigenética e não só a genética. Como o próprio nome já diz, esta ciência estuda a interferência do meio ambiente sobre a genética, explicando o motivo pelo qual as alterações acontecem. Para as pessoas que não conheciam esta palavra, e mesmo médicos que não estão familiarizados, saibam que este é o assunto dentro da medicina mais pesquisado em todo mundo na atualidade!

Mencken escreveu:
“A luta da vida é contra a retenção de ácido”.
“O envelhecimento, a falta de energia, o stress, as dores de cabeça, enfermidades do coração, alergias, eczemas, urticária, asma, cálculos renais e arterioscleroses entre outros, não são nada mais que a acumulação de ácidos.”

O Dr. Theodore A. Baroody disse em seu livro “Alkalize or Die” (Alcalinizar ou Morrer):
“Na realidade não importa os diversos nomes de enfermidades. O que importa sim é que todas elas provém da mesma causa básica: muito lixo ácido no corpo!”

O Dr. Robert O. Young disse:
“O excesso de acidificação no organismo é a causa de todas as enfermidades degenerativas. Quando se rompe o equilíbrio e o organismo começa a produzir e armazenar mais acidez e lixo tóxico do que pode eliminar, então se manifestam diversas doenças.”

Quantos de nós temos escutado a notícia de alguém que tem câncer e sempre alguém diz: “É.… poderia acontecer com qualquer um…”. Não, não poderia., agora você já sabe.

 “Que teu alimento seja teu remédio, que teu remédio seja teu alimento.” Hipócrates (pai da medicina moderna).

(Fonte: Dr Victor Sorrentino | Resumo: Luciane Ferreira)